Cambodia Hep-C
Relatório anual 2017

Hepatite C: fazendo campanha para melhorar o acesso à cura

O vírus da hepatite C (HCV) mata 400.000 pessoas todos os anos. Medicamentos inovadores podem curar a doença em apenas 12 semanas, mas milhões de pessoas não podem ter acesso a esses tratamentos que salvam vidas. 

Cerca de 70 milhões de pessoas no mundo vivem com infecção crônica pelo HCV hoje. Sem tratamento, a doença transmitida pelo sangue pode levar a insuficiência hepática, câncer de fígado e morte. O HCV pode levar anos para progredir e eles são frequentemente marcados pelo medo constante do que pode acontecer.

Din Savorn é um pai de 50 anos que vive em Phnom Penh, Camboja, que foi diagnosticado com HCV em 1999. Nos últimos anos, ele ouviu falar de pessoas curadas com novos tratamentos, mas perdeu a esperança de ser curado. 

"Eu queria ser tratado, mas não podia pagar", diz. “Eu teria que vender minha casa e meus filhos ficariam sem abrigo. Então eu apenas esperei.

No início de 2017, Din iniciou o tratamento em uma clínica de MSF em Phnom Penh, a única instalação no Camboja que oferecia tratamento para o VHC gratuitamente. Em maio, ele recebeu a notícia que esperou quase 20 anos para ouvir: seu tratamento foi um sucesso. Ele foi curado.

O tratamento de Din consistiu nas novas drogas sofosbuvir e daclatasvir. Em comparação com os tratamentos mais antigos, esses comprimidos antivirais de ação direta (DAAs) são mais simples para os pacientes e têm muito menos efeitos colaterais. Com uma taxa de cura de 95%, eles também são altamente eficazes. As equipes médicas de MSF estão mostrando que as abordagens simplificadas para o diagnóstico e tratamento do HCV podem oferecer o suporte necessário para que os pacientes concluam o tratamento com sucesso, mas MSF atinge apenas uma fração das pessoas necessitadas. Menos de cinco por cento das pessoas em todo o mundo que poderiam se beneficiar dos DAAs os receberam. As drogas têm um problema sério: o preço.
 

Video

Cambodia Hepatitis C Stories - Din Savorn

In 2016, MSF set up a treatment clinic for patients with hepatitis C in Preah Kossamak Hospital in Phnom Penh.
MSF

Embora o custo de fabricação estimado para um tratamento de 12 semanas de sofosbuvir e daclatasvir seja inferior a US $ 100, os fabricantes Gilead e Bristol-Meyers Squibb cobraram US $ 147.000 por tratamento quando os lançaram nos Estados Unidos. A medida gerou indignação generalizada, mas os preços exorbitantes continuam sendo uma barreira mortal ao tratamento, tanto nos países de renda alta como nos países em desenvolvimento.

Desde o lançamento dos primeiros DAAs, MSF tem trabalhado para fechar a lacuna de tratamento do HCV com estratégias destinadas a aumentar o acesso a versões genéricas dos medicamentos, acessíveis e de qualidade garantida. Em um grande marco de 2017, os centros de abastecimento de MSF e a equipe da Campanha de Acesso negociaram com fabricantes de genéricos para obter DAAs por apenas US$ 120 por tratamento para quase todos os projetos de MSF, permitindo que as equipes tratassem mais pessoas.

MSF anunciou o acordo amplamente para aumentar a transparência e dar aos governos mais poder para negociar melhores preços. No entanto, o lançamento de novos tratamentos contra HCV continua lento na maioria dos países. As perspectivas são mais preocupantes em países de renda média e alta, onde os monopólios de patentes bloqueiam a produção e importação de DAAs genéricos e permitem que as empresas farmacêuticas mantenham os preços altos por 20 anos ou mais.

As patentes são concedidas de acordo com critérios técnicos definidos nas leis nacionais de patentes. As tecnologias que não atendem a esses critérios não devem receber proteção de patente, mesmo que ofereçam benefícios médicos significativos para os pacientes. Quando as patentes imerecidas impedem o acesso a medicamentos a preços acessíveis, MSF as desafia, apoiando e protocolando oposições legais.

MSF apresentou dois desses desafios para as patentes de tratamento para HCV em 2017 e ambos estão atualmente sob revisão. O primeiro desafia um pedido de patente na China que impediria empresas de genéricos de produzir e exportar versões acessíveis de um tratamento que combina dois DAAs cruciais. A segunda - juntamente com uma ampla coalizão de defensores da saúde na União Européia - contesta uma patente que poderia bloquear 38 países europeus de produzir ou importar genéricos do sofosbuvir.

Finalmente, temos as ferramentas que precisamos para curar e prevenir a transmissão do HCV e quase todos os governos se comprometeram a eliminar a doença como uma ameaça à saúde pública até 2030. Cumprir esse compromisso requer uma ação ousada e decisiva para expandir rapidamente o acesso ao rastreamento e ao tratamento do HCV. 

 

MSF ofereceu o tratamento de HCV com DAAs para 5.926 pessoas em 13 países em 2017. A Campanha de Acesso de MSF foi lançada em 1999 para incentivar o acesso e o desenvolvimento de medicamentos que salvam vidas, testes diagnósticos e vacinas para pacientes dentro e fora dos programas de MSF.

Próximo
Médicos Sem Fronteiras